Câncer nos testículos: conheça a doença que matou Léo Rosa

Ator Léo Rosa falece aos 37 anos 

Na semana passada, infelizmente, tivemos uma triste notícia na mídia brasileira: o ator Léo Rosa faleceu no dia 09 de março, aos 37 anos, após uma luta de 3 anos contra o câncer nos testículos.

Segundo as informações, a doença se espalhou por outras áreas do corpo e o ator acabou não resistindo.

Assim como muitos homens, ele descobriu a doença em 2018 durante a realização de exames para outros tipos de problemas de saúde e, desde então, vinha realizando sessões de quimioterapia e tratamentos alternativos para tentar reverter o quadro.

Sintomas

Os sintomas mais comuns do câncer de testículo são:

– Inchaço ou nódulo no testículo: surge um nódulo em um dos testículos ou um dos testículos fica inchado ou aumentado. Pode causar dor, mas nas maioria dos casos isso não ocorre.

 – Dor ou crescimento da mama: é raro, mas esse sintoma ocorre porque certos tipos de tumores secretam altos níveis do hormônio gonadotrofina coriônica (HCG), que estimula o desenvolvimento da mama.

Alguns sinais mais graves podem indicar uma situação de câncer mais avançada:

  • Dor constante nas costas;
  • Sensação de falta de ar ou tosse frequente;
  • Dor constante na barriga.

Esses sintomas são mais raros de ocorrer e, geralmente indicam que o câncer se espalhou para outros locais como nódulos linfáticos, pulmão ou fígado, por exemplo.

Causas do câncer nos testículos

Ainda não há uma resposta definitiva sobre o que causa o câncer nos testículos, porém alguns fatores podem aumentar o risco de um homem desenvolver o problema:

  • Ter um testículo que não desceu;
  • Ter histórico familiar de câncer de testículo;
  • Já ter tido câncer em um testículo;
  • Estar na faixa etária entre 20 e 34 anos.

Tratamento

O câncer nos testículos tem a possibilidade de cura, na maioria dos casos, mesmo quando ocorrem metástases. No entanto, a indicação do tratamento varia de acordo com a evolução da doença em cada paciente. Pode ser indicado sessões de radioterapia, quimioterapia ou cirurgia.

É importante informar que este tipo de câncer costuma ocorrer após a adolescência. E, muitas vezes, esses jovens têm vergonha de falar sobre o assunto com os seus pais.

Portanto, aproveitamos para fazer um alerta! Os pais devem estar atentos a qualquer sinal de que algo não vai bem com a saúde do seu filho, especialmente se existe algum fator de risco para o surgimento do câncer.

Recomendamos que os pais agendem uma consulta com o urologista para acompanhamento médico logo no início da adolescência.

Como sempre reforçamos aqui no blog, é imprescindível fazer esse acompanhamento periódico.  

Se tiver alguma dúvida, agende uma consulta e fale com um de nossos especialistas. 

Para agendar uma consulta com um dos urologistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento on-line.

 

Câncer nos testículos

Ator Léo Rosa falece aos 37 anos devido a câncer nos testículos

Na semana passada, infelizmente, tivemos uma triste notícia na mídia brasileira: o ator Léo Rosa faleceu no dia 09 de março, aos 37 anos, após uma luta de 3 anos contra o câncer nos testículos.

Segundo as informações, a doença se espalhou por outras áreas do corpo e o ator acabou não resistindo.

Assim como muitos homens, ele descobriu a doença em 2018 durante a realização de exames para outros tipos de problemas de saúde e, desde então, vinha realizando sessões de quimioterapia e tratamentos alternativos para tentar reverter o quadro.

Sintomas

Os sintomas mais comuns do câncer de testículo são:

– Inchaço ou nódulo no testículo: surge um nódulo em um dos testículos ou um dos testículos fica inchado ou aumentado. Pode causar dor, mas nas maioria dos casos isso não ocorre.

 – Dor ou crescimento da mama: é raro, mas esse sintoma ocorre porque certos tipos de tumores secretam altos níveis do hormônio gonadotrofina coriônica (HCG), que estimula o desenvolvimento da mama.

Alguns sinais mais graves podem indicar uma situação de câncer mais avançada:

  • Dor constante nas costas;
  • Sensação de falta de ar ou tosse frequente;
  • Dor constante na barriga.

Esses sintomas são mais raros de ocorrer e, geralmente indicam que o câncer se espalhou para outros locais como nódulos linfáticos, pulmão ou fígado, por exemplo.

Causas do câncer nos testículos

Ainda não há uma resposta definitiva sobre o que causa o câncer nos testículos, porém alguns fatores podem aumentar o risco de um homem desenvolver o problema:

  • Ter um testículo que não desceu;
  • Ter histórico familiar de câncer de testículo;
  • Já ter tido câncer em um testículo;
  • Estar na faixa etária entre 20 e 34 anos.

Tratamento

O câncer nos testículos tem a possibilidade de cura, na maioria dos casos, mesmo quando ocorrem metástases. No entanto, a indicação do tratamento varia de acordo com a evolução da doença em cada paciente. Pode ser indicado sessões de radioterapia, quimioterapia ou cirurgia.

É importante informar que este tipo de câncer costuma ocorrer após a adolescência. E, muitas vezes, esses jovens têm vergonha de falar sobre o assunto com os seus pais.

Portanto, aproveitamos para fazer um alerta! Os pais devem estar atentos a qualquer sinal de que algo não vai bem com a saúde do seu filho, especialmente se existe algum fator de risco para o surgimento do câncer.

Recomendamos que os pais agendem uma consulta com o urologista para acompanhamento médico logo no início da adolescência.

Como sempre reforçamos aqui no blog, é imprescindível fazer esse acompanhamento periódico.  

Se tiver alguma dúvida, agende uma consulta e fale com um de nossos especialistas. 

Para agendar uma consulta com um dos urologistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento on-line.

A dor é nos rins ou nas costas?

Pessoas que sofrem com pedra nos rins sempre ficam em dúvida nos momentos de crise: é cólica renal ou dor nas costas?

Entenda a diferença

Isso acontece porque como os rins estão localizados na parte de trás e sob as costelas, pode ser difícil identificar exatamente de qual ponto exato vem a dor.

No entanto, a localização, o tipo e a intensidade dos sintomas podem ajudar a descobrir qual é a fonte da dor.

Veja a seguir, como identificar corretamente uma crise causada por pedra nos rins com algumas dicas.

Pedra nos rins X dor nas costas

Os rins são os responsáveis por filtrar resíduos e toxinas da corrente sanguínea, o que os torna mais suscetíveis a infecções e danos. Sendo assim, o excesso de cálcio, oxalato e fósforo podem se acumular nos rins e formar cálculos renais, responsáveis por causar dor intensa ao se deslocarem ou causarem um bloqueio.

Além disso, a cólica renal pode ser causada também por infecções do trato urinário e traumatismos nos rins.

A principal diferença entre a dor nas costas e a dor causada por cálculo renal é que o ponto focal da primeira costuma ser na região lombar. Nesse caso, preste atenção na sua postura e se tem o hábito de ficar sentado ou em pé por muito tempo. Certas condições médicas, como artrite, osteoporose e infecções, também podem causar dores nas costas.

Reconhecer a diferença entre dor nas costas ou aquela causada por pedra nos rins ajuda na hora em que você vai buscar ajuda especializada.

Como identificar a dor nos rins

A dor causada por pedra nos rins é frequentemente causada pela movimentação dos cálculos ou por uma infecção na região. Se a dor vem do seu rim, ela terá essas características:

Localização

A cólica renal é sentida nos flancos que ficam entre a parte inferior da caixa torácica e os quadris. Geralmente ocorre em apenas um lado do corpo, mas em alguns casos o paciente pode sentir dor em ambos os lados. A sensação também pode ser que a dor está vindo do fundo do corpo.

Radiação

A dor causada por pedra nos rins pode irradiar para outras áreas do corpo, como laterais, abdômen, virilha e coxa.

Intensidade

Na maioria das vezes, a dor sentida em uma crise causada por cálculo renal será constante. Mas pode aumentar de intensidade e dar a sensação de pontadas mais intensas quando a pedra se move. Já a dor derivada de uma infecção geralmente é mais suave.

Sintomas indicativos de pedra nos rins

A presença de cálculo renal também pode ser notada pela presença de outros sintomas, como:

– Urina turva, de coloração escura ou com sangue;

– Dor ao urinar;

– Necessidade persistente de urinar, mesmo que saia pouco ou nada;

– Náusea;

– Vômito;

– Febre;

– Tontura;

– Fadiga.

Quando marcar seu check-up médico

Um quadro de pedra nos rins não costuma ocorrer de um dia para o outro. Então, manter uma rotina de check-up médico periódico ajuda a proteger a saúde de um modo geral e não só dos rins.

Além disso, é preciso estar atento a fatores como obesidade, ingestão excessiva de sódio e cálcio, além do consumo de água inferior a 2 litros/dia, que aumentam os riscos de desenvolvimento de pedra nos rins.

Em muitos casos, é possível contornar o mal-estar com repouso, terapia de calor e analgésicos. Mas é importante que pessoas com sintomas de pedra nos rins ou infecção procure atendimento médico.

Se desejar tirar dúvidas pontuais sobre cálculo renal, agende uma teleorientação, pelo nosso site. Ou se preferir, solicite uma consulta com os urologistas do CBU.

Informações de contato, acesse aqui!

 

Cálculos renais – dúvidas mais frequentes!

A formação dos cálculos renais

Os rins têm muitas funções, sendo a principal, filtrar o sangue, removendo impurezas, que são eliminadas pelas vias urinárias na forma de urina.

Constantemente, algumas das substâncias removidas tentam se agregar na urina (cálcio, acido úrico e etc), formando pequenos cristais e cálculos renais (popularmente conhecidos como pedras nos rins).

Mas nosso corpo  naturalmente produz outras substâncias que evitam a formação de massa sólida, como citrato e magnésio.

Listamos aqui as principais dúvidas sobre os cálculos renais. Confira:

O que pode acontecer se não tratarmos os cálculos renais?

Resposta: Quando os cálculos se deslocam pelo fluxo urinário e alcançam o ureter causam a obstrução da drenagem de urina. Assim, a urina se acumula e causa a dilatação do ureter e do rim. Essa dilatação é a responsável pela dor intensa (cólica renal) e é uma das dores mais fortes que uma pessoa pode sentir.

Além disso, os cálculos renais aumentam o risco de infecção urinária. Um quadro que pode provocar provocar choque séptico e até o óbito, principalmente em pacientes idosos.

Pacientes que não tratam os cálculos renais têm 20% de chances de perda da função dos rins. Desses pacientes, 5% acabam necessitando de diálise, que significa ter de ficar ligado a uma máquina que filtra o sangue, 3x/semana.

Quais os sintomas dos cálculos renais?

Resposta: Primeiro é importante destacar que os cáculos renais podem ser assintomáticos, ou seja,  o paciente pode não sentir sintoma algum. Porém, quando eles passam a obstruir a drenagem de urina, o paciente começa a sentir uma dor muito forte. Essa dor é a chamada cólica renal. Quem já teve esse quadro, sabe como a dor é intensa. Outros sintomas do Cálculo Renal são: náuseas, vômitos, calafrios, desejo frequente de urinar, sangue na urina e dor ao urinar.

Quais os fatores de risco para a formação dos cálculos renais?

Resposta: Existem muitos fatores que aumentam as chances da formação de cálculos, como distúrbios de metabolismo, hereditariedade, idade, sexo, hábitos alimentares, atividade física.

Aqui, vamos falar sobre aqueles que podemos atuar com mudanças simples de estilo de vida.  São eles:

– Consumo de água => O consumo de 2,5 a 3L de água por dia reduz o risco de formação de cálculos, pois dilui a urina. Deve ser distribuído durante o dia e intensificado em dias quentes e secos.

– Redução do sal => Recomendamos reduzir ao máximo o consumo de sódio, e não se trata apenas do sal que usamos para temperar a comida. Também são alimentos embutidos como presunto, linguiça, azeitonas e alimentos instantâneos têm alto teor de sódio e devem ser evitados.

– Carnes => Recomendamos evitar o consumo excessivo de proteínas de um modo geral, incluindo carnes. O consumo excessivo desse alimento pode “sobrecarregar” os rins e elevar ácido úrico, uma substância que pode forma os cálculos.

– Atividade física => A prática de atividade física regularmente traz uma série de benefícios a saúde, incluindo a redução do risco de formar pedras nos rins. Lembramos, porém, que durante o exercício, perdemos líquidos, sobretudo na forma de suor. Então, para evitar que ocorra desidratação, recomendamos que os pacientes bebam água antes, durante e depois da prática de atividade física.

Se você precisa realizar o acompanhamento com um médico urologista, o ideal é agendar sua consulta. Afinal, um cálculo renal pode ter consequências sérias caso seja deixado de sem tratamento adequado.

Se desejar tirar dúvidas pontuais sobre o tema, agende uma teleorientação, pelo nosso site. Ou se preferir, solicite uma consulta com os urologistas do CBU, clicando aqui.

Veja mais sobre cálculo renal no video a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=g0FaIVnDKZw

 

Bexiga Neurogênica

A bexiga neurogênica é a incapacidade de controlar o ato de urinar devido a uma disfunção na bexiga ou esfíncter urinário.

Essa disfunção pode ter diversas causas, que incluem desde alterações nos nervos até situações que irritam a região, como alterações hormonais, inflamações na bexiga ou infecções.

Qualquer condição que interrompa a função da bexiga ou a sinalização neurológica aferente e eferente provoca bexiga neurogênica.

Quais as causas da bexiga neurogênica?

As causas podem afetar o sistema nervoso central, os nervos periféricos, ou ambos.

A obstrução do colo vesical devido à hiperplasia prostática benigna, câncer de próstata, estenose uretral, por exemplo, muitas vezes acontece de forma simultânea e pode agravar os sintomas.

Nos homens, a próstata aumentada pode simular muitos sintomas de bexiga neurogênica, sendo uma importante causa reversível de alteração da função dos músculos urinários.

Do que os pacientes reclamam?

A maior queixa dos pacientes com bexiga neurogênica é referente ao esvaziamento incompleto da bexiga, perda de pouca ou grande quantidade de urina e de necessitar de muitas idas ao banheiro.

Isso acaba atrapalhando da vida da pessoa, pois ela não consegue completar uma tarefa sem parar constantemente.

Tipos de Bexiga Neurogênica

A bexiga neurogênica pode ser:

– Hipoativa: quando os músculos não conseguem contrair no momento adequado;

– Hiperativa: quando existe contração excessiva dos músculos e perda involuntária da urina.

Principais sintomas

1) Bexiga Hipoativa ou bexiga flácida – neste caso a bexiga não é capaz de se contrair voluntariamente ou o esfincter não é capaz de relaxar. Isso provoca o armazenamento de urina, sem a capacidade de eliminá-la de forma adequada.

Sintomas: sensação de que bexiga não esvaziou completamente após urinar, gotejamento após urinar ou perda de urina involuntária. Isto aumenta as chances de haver infecção urinária e prejuízo na função dos rins. Por isso, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível.

2) Bexiga Hiperativa – também é conhecida como bexiga espástica ou bexiga nervosa, pois a bexiga se contrai de forma involuntária, havendo assim a perda de urina de forma inesperada e em momentos inapropriados.

Sintomas: incontinência urinária, vontade de urinar frequente e em pouca quantidade, dor ou ardência na região da bexiga, perda do controle da capacidade de urinar.

O diagnóstico

Para diagnosticar a bexiga neurogênica, o urologista irá avaliar a história clínica da pessoa, com detalhamento dos sintomas, e o exame físico.

Além disso, o especialista solicita exames que conseguem observar o funcionamento do trato urinário. São eles: ultrassonografia, radiografia com contraste, uretrocistografia e exame urodinâmico, que avalia a contração dos músculos urinários no momento da micção.

Como é feito o tratamento

A partir do tipo de bexiga, o médico poderá definir entre as opções de tratamento, que incluem o uso de remédios, aplicação de toxina botulínica, além de fisioterapia, uso de sonda vesical ou realização de cirurgia.

Os pacientes devem beber líquidos em grande quantidade e limitar a dieta para evitar o desenvolvimento de cálculos. Algumas vezes os medicamentos dados para tratar a incontinência de urgência podem ser úteis.

Se você sofre com algum dos sintomais mencionados acima, agende uma consulta com o seu urologista, principalmente se houver gotejamento após urinar ou perda de urina involuntária.

Com a avaliação adequada, o médico especialista realizará o diagnóstico e recomendará o tratamento mais indicado.

Se desejar tirar dúvidas pontuais sobre o assunto, agende uma teleorientação, pelo nosso site.

Informações de contato, acesse aqui!

 

 

A saúde do homem em movimento

A prevenção como remédio

Vários estudos que comparam a saúde do homem à da mulher têm comprovado o fato de que o sexo masculino é mais vulnerável às doenças. Especialmente, quando se referem às patologias graves e crônicas.

Com o intuito de colaborar na redução desses casos e de priorizar os cuidados preventivos, vamos falar hoje sobre a importância da atividade física na saúde do homem.

A atividade física e a saúde do homem

Movimentar o corpo faz parte da natureza humana e traz inúmeros benefícios independente da idade.

Com a prática, você:

– ganha mais saúde e disposição para realizar as tarefas do dia a dia;

– aumenta a eficiência do sistema imunológico, que defende nosso corpo contra doenças;

– controla os níveis de ansiedade e o estresse;

– diminui a gordura corporal e controla o peso;

– reduz a pressão arterial;

– ajuda no controle do diabetes;

– previne e reduz os efeitos de doenças do coração, osteoporose, deficiências respiratórias e problemas circulatórios.

De acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde, para ser fisicamente ativo você precisa, em pelo menos cinco dias da semana, fazer 30 minutos ou mais de atividades físicas moderadas, de forma contínua ou em duas sessões de 15 minutos.

Dicas CBU

Se você quer iniciar um programa de atividade física com saúde, siga essas dicas:

– antes de iniciar qualquer atividade física, realize uma avaliação médica e verifique se você está apto à prática;

– procure uma atividade que proporcione prazer e bem-estar;

– convide alguém para acompanhar sua atividade física;

– utilize roupas leves que auxiliam na transpiração e calçados adequados para a atividade física escolhida;

– faça exercícios de alongamento e flexibilidade antes e após os treinos: isso é importante para evitar encurtamentos musculares e problemas nas articulações;

– aumente gradualmente a duração e o ritmo da atividade física porque realizar uma atividade mais intensa do que o seu limite pode ser perigoso;

– alimente-se de 30 a 40 minutos antes dos treinos e, em até uma hora após;

– hidrate seu corpo! Devem ser consumidos entre 300 e 500 ml de água até 30 minutos antes da atividade e mais 200 ml a cada 30 minutos;

– tenha um objetivo e estabeleça metas;

– seja confiante, tenha um objetivo claro e preencha um plano de metas. Quando começar a ver os resultados você dificilmente irá interromper.

Ao seguir essas orientações, você perceberá um aumento na disposição, além de melhorar a qualidade do sono e do funcionamento do organismo como um todo.

Lembre-se: uma vida saudável depende do bem-estar físico, mental e social, assim como da harmonia dessas áreas.

Se deseja tirar dúvidas pontuais sobre a saúde do homem, agende uma teleorientação, pelo nosso site, clicando aqui!

A terceira idade e seus desafios

Características da terceira idade

Você sabia que muitos homens chegam à terceira idade gozando de mais saúde e disposição do que alguns com uma idade cronológica mais baixa?

Sim, é verdade! No entanto, isso depende de alguns fatores.  Não é incomum que homens em fase de envelhecimento apresentem queixas relacionadas ao avançar da idade. São manifestações que trazem desconforto e diminuem sua qualidade de vida na terceira idade.

Cansaço, falta de concentração, esquecimento, perda de força muscular, disfunção erétil, perda da libido, entre outras, podem estar relacionadas ao Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino, popularmente chamado de “andropausa” ou “menopausa masculina”.

Esse distúrbio é uma das características do envelhecimento do homem e se relaciona à diminuição da testosterona, o hormônio sexual masculino.

O hormônio masculino

A testosterona é produzida nos testículos através de células estimuladas por hormônios da hipófise, uma glândula localizada no cérebro.

A importância da testosterona é quase indescritível na vida do homem. Na puberdade, é a principal responsável pelo desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários masculinos, fazendo com que o pênis cresça, a próstata se desenvolva, os pelos do corpo aumentem e a voz engrosse.

A testosterona também é um dos principais atores no processo de ativação e produção de sêmen, primordial no processo reprodutivo.

Ao longo dos anos, é ela que colabora para a manutenção da massa muscular, do tecido ósseo e até mesmo para o bom humor masculino.

O declínio da testosterona e suas implicações

De maneira genérica, a testosterona começa a apresentar um declínio por volta de 40 anos de idade. Entre os 40 e 50 anos, aproximadamente 10% dos homens apresentam níveis anormais de testosterona. Esse percentual chega a 30% em homens mais maduros (dos 50-59 anos).

Entre 60 e 69 anos, a diminuição dos níveis de testosterona sobe para 40%. Após 70 anos, até 50% dos homens podem apresentar testosterona em 16 níveis subnormais, com algum tipo de implicação que justifique tratamento para amenizar os efeitos do Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino.

Apesar da diminuição da testosterona atingir praticamente todos os homens quando chegam à terceira idade, nem todos apresentam sintomas que justifiquem um tratamento à base de terapia de reposição hormonal.

Porém, como há riscos associados a esta intervenção terapêutica, é importante consultar um urologista para tirar suas dúvidas e orientá-lo sobre o assunto.

Para agendar uma consulta com um dos urologistas do CBU, clique aqui.

A Fimose e o Diabetes

 

Fimose também é coisa de adulto e pode ser mais predominante em pacientes diabéticos. A condição caracterizada pelo excesso de pele prepucial, localizada na glande do pênis, é fator de risco, inclusive, para o câncer de pênis.

CARACTERÍSTICAS DA FIMOSE

O pênis é coberto por uma pele que cobre a glande (cabeça do pênis). Esta pele recebe o nome de prepúcio. A característica principal da fimose é justamente a presença da pele prepucial impedindo que o indivíduo consiga expor a glande de seu pênis para fora total ou parcialmente.

A FIMOSE DA INFÂNCIA

A fimose congênita, geralmente descoberta na infância ou na adolescência, pode ser tratada inicialmente com pomadas tópicas, e em alguns casos, realiza-se a cirurgia.

A FIMOSE ADULTA

Nomeada de fimose adquirida, o paciente com o correr da vida sexual nota a dor local, e ao expor a glande, esta condição é mais severa nos diabéticos. Nestes casos, recomenda-se o procedimento cirúrgico, bastante simples e indolor.

E A RELAÇÃO COM O DIABETES?

O Diabetes é uma doença crônica, que precisa ser acompanhada junto com o médico Endocrinologista. Embora muito temida pelos pacientes, quando se segue o tratamento proposto e se controla as taxas de glicose, o paciente pode levar uma vida totalmente normal, repleta de bem-estar e saúde.

Porém, nos casos de pacientes com a glicemia descontrolada, com o passar dos anos, esta alta taxa de glicose prejudica a condição local da glande do pênis, principalmente quando associada à má higiene íntima.

Falar sobre a região genital é tabu para muitos homens, mas o pior mesmo, é ignorar os sintomas. Ardência, coceira, vermelhidão, inchaço, todos estes sintomas são SINAIS de que é preciso buscar ajuda especializada.

Se você é homem e diabético, não se esqueça de visitar o seu Endocrinologista e o seu Urologista.

Aqui no CBU temos as duas especialidades e oferecemos um tratamento multidisciplinar aos nossos pacientes.

Conte com a nossa equipe.

Agendamentos através do (11) 3046-3690 ou agende on-line por aqui!

 

A Cirurgia de Vasectomia – 7 fatos!

O que você precisa saber sobre a Cirurgia de Vasectomia

A cirurgia de vasectomia é buscada por diversos homens, cuja decisão é não ter mais filhos. É considerada um método definitivo de contracepção e é realizada pelo Cirurgião-Urologista.

Aqui no Centro Brasileiro de Urologia, realizamos esse procedimento no centro cirúrgico, que está presente dentro da clínica, com toda infraestrutura necessária.

Confira os 7 FATOS:

  1. Não dói! A cirurgia é feita com anestésico tópico e local. Após anestesia é feita um micro corte de 0,5 cm na bolsa escrotal.
  2. É uma cirurgia simples! Trata-se de uma cirurgia de no máximo 30 minutos e o paciente se recupera em casa.
  3. Não afeta sua potência sexual! O bloqueio dos canais deferentes impede apenas a passagem dos espermatozóides. No entanto, a produção hormonal e mecanismo de libido não sofre nenhum impacto ou alteração.
  4. Não impede a relação sexual! Após 1 semana, o paciente pode ter relações sexuais com sua parceria, normalmente.
  5. Não altera o tamanho do pênis! A Vasectomia é feita na pele escrotal com um corte mínimo. Não ocorrem mutilações no pênis.
  6. O método é seguro e eficaz! Após o procedimento cirúrgico, o médico irá solicitar o exame de espermograma para conferir o resultado negativo. Dessa forma, se confirmada a ausência de espermatozóides no conteúdo ejaculado, o paciente poderá ter relações sexuais sem riscos de gestações.
  7. A vasectomia não é irreversível! Existe a cirurgia de reversão de vasectomia, porém o seu sucesso dependerá de alguns fatores. Por isso, recomendamos que a vasectomia seja feita pelo homem que tem certeza de que não deseja ser pai novamente.

 Estas informações te ajudam a tirar suas dúvidas, mas não substituem a consulta com um especialista.

Consulte sempre um Urologista!

Para agendar uma consulta com um dos Urologistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.

Se você tiver dúvidas pontuais sobre a cirurgia, saiba que pode também utilizar o recurso da teleorientação, sem custo.

 

Check Up Masculino

Você já fez um check up neste ano? Entenda a importância!

Os homens visitam seus médicos na freqüência que deveriam? A resposta é NÃO!

Dados mostram que os homens vão menos ao médico que as mulheres. E muitas vezes, somente agendam consultas, quando estimulados por elas (esposa, mãe, filha, irmã).

Por que é importante a realização de um Check up?

O check up tem a função de averiguar se o seu corpo está inteiramente saudável. Muitas doenças são assintomáticas, ou somente demonstram sinais quando muito avançadas, por isso, exames clínicos (feitos na consulta médica) e laboratoriais  podem te ajudar a identificar problemas de saúde, ainda em fase inicial.

Câncer, diabetes e hipertensão são exemplos de doenças mais facilmente tratáveis quando diagnosticadas precocemente. Quando agravadas, estão entre as principais causas de morte entre os homens.

O Urologista é o médico do homem!

Mulheres começam a freqüentar a sua Ginecologista em torno dos 12, 13 anos, quando menstruam pela primeira vez. O homem deveria fazer o mesmo. Ir ao Urologista no início da puberdade, para receber orientações em relação às mudanças do seu corpo, prevenção de DSTs, gravidez indesejada, entre outras complicações evitáveis.

O ideal é que o Urologista seja visto pelos homens, independente de sua idade, como o médico que poderá lhe acompanhar por toda a vida. Agir de forma preventiva é essencial no controle da saúde masculina.

Exames freqüentemente solicitados em um Check up:

– Hemograma

– Dosagem dos níveis de Colesterol (Total e Frações) e  Triglicerídeos

– Insulina e Glicemia

– Tireóide – T3, T4 TSH

– PSA (homens acima de 40 anos)

– DSTs: antígeno de superfície do vírus da hepatite B (HBsAg); teste de detecção de sífilis; e pesquisa de anticorpos anti-HIV e dos vírus da hepatite C

– Espermograma (fase adulta e fértil)

– Exame de Urina

– Ultrassom (em alguns casos)

Além dos exames mencionados acima, é importante sempre manter a carteira de vacinação em dia.

Para agendar uma consulta com um dos especialistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.

Se desejar tirar dúvidas pontuais, agende uma teleorientação sem custo com um dos profissionais do CBU.