Novas Publicações

Observamos um aumento crescente no numero de casos de IST / DST nos últimos anos e isto é muito preocupante.

Dr Diego Delgado | Gonorreia

Podendo aparecer depois de alguns dias do ato sexual sem proteção, a doença pode apresentar sintomas como:

  • Dor ao urinar
  • Febre
  • Corrimento com a presença de pus

Se faz presente também nas relações oral e anal, causando inflamação nas regiões.

Segue um trabalho publicado recentemento sobre Gonorréia:

Ameaça de gonorreia intratável real, crescendo

A resistência aos antibióticos está fazendo com que a gonorréia seja muito mais difícil e às vezes impossível de tratar, advertiu a Organização Mundial da Saúde (OMS) dia 06 de julho de 2017.

"Em breve teremos uma ameaça de gonorréia intratável no futuro", disse Teodora Wi, PhD, médica do Departamento de Saúde Reprodutiva e Pesquisa da OMS, durante uma conferência de imprensa organizada pela OMS e pela Global Antibiotic Research and Development Parceria (GARDP). GARDP é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento lançada em 2016 pela OMS e a Iniciativa de Drogas para Doenças Negligenciadas (DNDi).

"Situação séria"

"A gonorréia é uma bactéria com muita capacidade de mutação. Toda vez que você apresenta uma nova classe de antibióticos para tratar a gonorréia, a bactéria torna-se resistente. Já vemos resistência ao tratamento de última linha, que é uma cefalosporina e azitromicina, entáo precisamos ser mais vigilantes e acompanhar o tratamento do paciente mais de perto.

Já existem casos onde os antibióticos conhecidos náo sáo capazes de tratar a gonorreia, esses casos podem "ser apenas a ponta do iceberg, uma vez que os sistemas de diagnóstico e notificação de infecções intratáveis estáo faltando em países de baixa renda, onde a gonorréia é realmente mais comum".

Em um relatório publicado recentemente observam que cerca de 78 milhões de pessoas sáo infectadas com gonorréia a cada ano no mundo.

De acordo com o Programa global de vigilância antimicrobiana gonocócica da OMS, que monitora as tendências da gonorréia resistente aos medicamentos, os dados de 2009 a 2014 mostram resistência generalizada à ciprofloxacina.

Além disso, 81% dos países relatam aumento da resistência à azitromicina e 66% relatam o surgimento de resistência às cefalosporinas de espectro estendido (ESC) - cefixima oral ou ceftriaxona injetável - que atualmente sáo as opções de tratamento de último recurso.

http://www.medscape.com